12 de out de 2009
Neguinha que padece de usura
Não esquece nenhuma amargura
Quebra a esquina do pecado nua
E anda de tamancos na calçada
Não sente dor, tristeza, espanto
Mais se pagam bem se esconde em algum canto



Sobe o telhado paladinha
Vai espiar o filho da vizinha
Da comida de manhã pro gato
Toca o seio e troca o sapato
Veste um terninho, assim, bem passado
E rebola-desce a ladeira do mercado
Sem pensar em nada, espevitada
Guardando mágoa da vida passada



Tempo bom de empregada
Lavar, passar, cozinhar o patrão
Limpar tudo até ter promoção
Perder o emprego e a comunhão
Cuspir a hóstia sagrada no chão
"Mulher cabrita aqui entra não"



Ganhou meio dia pedaço de pão
Esbravejou, não quis esmola
Pau-de-arara,leva a vida na sacola
Rodoviária, trepa, ganha, come
A fome dói quando se sente fome



Resmungar e viver sua vida
Sonhos distantes na manhã sofrida
Lavar latrina pra ganhar trocado
Bunda pra cima e tá tudo arrumado
Pegar o mote debaixo da pança
Lembrar do tempo que já foi criança



Olhar no olho da ingenuidade
E tudo aquilo agora é só saudade
Amarga o peito e chora com vontade
Escorre o rosto a lágrima salgada
Triste destino da mulata
Boa de lida, de cama e de estrada

0 comentários: