Colheita.

25 de jan de 2010
Eu escrevo pra juntar - de viver a gente já separa. O "objeto" do escrito é fragmento, não tem todo e nem é parte; parte é o inteiro separado. O fragmento - coitado, tá solto feito gato preto em telhado branco. Fragmento é o oposto de cimento. 
Juntar. É o que faço. A matéria (!) flutua e condensa na folha. Vira letra atrás de letra, pé de página, anúncio de vida, de morte; tão próxima: trecho, verso, vulto. Estanco o corte e deixo aberto, sangrar sempre fez parte - e o sangue flui da pele branca. E o branco da pele é vida, estranho isso...
O fim é o escuro, a memória que se fecha. Esquecida é negra, o menino não enxerga.
Escuridão é outra coisa: paraíso do Poeta, descanso, tinta preta.
E tento, persigo as coisas (sempre elas), catando pedaços, buscando uma massa consistente, há de ter liga essa vida!