Poeminha 23,5

3 de nov de 2009
Só seguir...
E não há futuro
Que seja só neve caindo
E carros passando

Azul Sério

Não existe outra palavra
Pra se sentir tão feliz
Às vezes é assim:
Sem medida!

Você é sem medida
Pelos dedos se vão
O azul da sua boca
Escorrendo...

Se você erra meu nome
Eu fico sorrindo
Sorrisos para tudo
São minha cura particular

E seus olhos são azuis
E meus dedos percorrem
Sua boca molhada

É só olhar o mundo
E ver que ele muda
E se aprofunda em ser
O que o livro diz

Eu seguro seus dedos
E você morde a boca
Seu jeans é azul
Como são os seus olhos

Poema 70 (dos sérios)

Sem ter
O que quer
Que seja
A morte
É apenas
Recomeço

Graça

Há alguns
Raros anos
Vividos sem
Temer a graça

Vivo de
Liberdade tardia
Caída em
Eterna desgraça

Há alguns dias
Pergunto:
Terei meu próprio lugar?
Há quem me ajude na fraqueza?

Só a melodia repetida
Auxilia minha vida
E finda
O propósito de ser