Ausência.

13 de dez de 2009
Um dia de manhã
E batem as portas.
Eles não ligam...
Se eu fui a igreja
Era brincadeira.

Perdido...
Passos e passos inúteis
Eu me sinto forte
Pra dentro.

E não tem palavra,
Que me faça ficar:
"Volte a ser o que era..."

Vivo entre os portões
Um leva pra casa
O outro leva pra vida.

Sol-dade

Ah!, saudade que assola
Despedaça-me o dia
Fica um tempo e vai embora

Não demora e (re) torna
Cada volta mais doída.