O caos que rasteja.

7 de mar de 2010


Todo ser que sobre a terra rasteja, do caos é filho, ao caos pertence.
Toda dádiva que à mesa se apresenta, é servida crua, ao paladar agrada.
Toda dor recolhida na alma, machuca os ossos, e nunca cala.

É isso. É.

A vida é isso, Úrsula:
Eterna dicotomia,
Emaranhado sinestésico de acasos,
Polvorosa de futilidade e suor.
É câmera que desdobra a figura humana,
Lente que aumenta a maudade da criança.
É pedaço pouco de matéria morta.
Soluço que vagueia nas horas...
A vida é, Úrsula:
Continuidade sabor creme dos deuses.
É selva, pedra e tambor;
É quarto, árvore e teto;
É falta de onde ir;
De onde estar;
De onde ser.