03/11/09

2 de nov de 2009
Tem cabeças que funcionam
Movidas à grande esforço

Tem palavras que se entregam
Com dureza e desgosto

Tem aqueles que se negam
É pra causar dor, por gosto...

E tem ela, a ressalva,
O encontro
A sutileza e o grito
O suspiro e o tiro
É o disparo
E o alvo

É na noite
A luminescência
E em si
Essência

Tragédia

Os sons são escuros
Como os beijos não roubados

Os dias são claros
E tristes como antigamente

E o sol escancarado, sorri
Para todo ser vivo

Ela foge, destemida
Pela calçada de pedras

E tropeça desastrada
Embaraça-se nas pernas

E cai para as rosas
Vermelhas de vida

Azul Clarinho e Lilás

É passarinho
Dançando
Tontinho
No fio

É uma flauta
Na boca
Vermelha
Da moça

É uma gota
De fruta
Doce
Que pinga

É dor calada
Resumo
Ressalva

Bater de vento
No rosto:
Que frio!

É o pedaço
Do canto
E tem
Mais recheio
Que o meio

Sapatos brancos

Cambaleia o sino
Tonto de tanto tocar
E anuncia na rua
A grande procissão

Ele caminha à frente
Que nariz! Que juventude!
O seu queixo é quadrado
Ele carrega no peito
A arma e o segredo da vida

E sapateia derrepente
E sorri derrepente
E dança, e dança...
Olha para a moça
E curva-se
Estende a mão
E casam-se

E cambaleia o sino
Ávido por mais negócios

Açucarada

E flutua
Entre os dedos
Das formigas

É uma gota,
Um suspiro

Aperta.
E solta...

Caminha escondida
No cantinho
Da parede
Na pontinha
Dos pés