Um, dois, três e sempre.

30 de nov de 2009
Um verso:
Só...
Dois:
Hum!
Hum...
Três versos:
Infinito...
Sempre...
Tanto...
O infinito basta a si mesmo.

Título? [2]

O que seria o indeciso?
Um retrato torto do narciso?
Uma mistura de grito com sorriso?
Um cisco no mamilo?
Um grilo sem volume?
Um pasto sem estrume?
Acho que não!
Indeciso é quem sofre de indecisão...

Título?

Que preguiça!, dos poemas...
Emas-emas-emas
Que preguiças!, dos poetas...
E das rimas?!
Que chatice!
Sem preguiça da Alice...
E do Alpiste!
E do muro pintado de preto!
E das velhas no ponto de ônibus!,
São só enfermidades...
Ah!, chega dar saudade
Essas velhinhas são tão bonitinhas,
E as tetas então?
OH! Que escuridão...

Dez dias sem Tereza

28 de nov de 2009
Na mesa ela se senta
E em sua mente sente ser
Tereza novamente,
Tereza é de um jeito
Que ninguém consegue ser
Ela mente de repente, e
Eu nunca irei saber.
E na mesa com Tereza
O dia inteiro se vai...
Aonde vai Tereza
A vida ela atrái
Dez dias sem Tereza
São dez dias demais

Espanhol

Em si és
Algo, algo que sóis
Sem ser sabido

Eventos

27 de nov de 2009
A memória é objeto
De um evento ocorrido
Pode vir da torneira que pinga
Ou do pingo da consciência que resta
.
A memória é criada, procria e se estabelece
Quando se precisa ela desce...
Do pedestal da saudade.

De onde vem a lembrança
Daquilo que ocorreu
No meu sonho de criança?

Ela existe e machuca;
Desespera e avança...
Eram as agulhas, me lembro
Vindo de todos os lados
Um quarto branco e quadrado
Com linhas em novelar eterno
Ao redor de tudo um lago,
Um amanhacer e o inferno.

Urso

José gosta de mel
Sapateia de tristeza
Quando seu cigarro acaba
Vai-se junto a beleza
Sua mãe quando menina
Deixou a sopa na mesa
E morreu...
José sobreviveu;
E nem você, muito menos eu
Iremos entender
O problema do porque
Do José
Não gostar de sopa

A parte

A parte interessante
É a parte que releva
Responde com silêncio
Apaga.

A parte que morde.
Que vai embora cedo...

A parte que leva os pedaços,
Guardados dentro de si.

Que não fala que ganhou
Um anel de diamantes.

A parte que de mim esconde.
E que o todo sente calada.
A parte interessante,
Vive antes da fala.

Curva

25 de nov de 2009
O que tem no fim da pista?
Uma ruiva peladona?
Um CD inédito
Da Madonna?


O que tem no fim da pista?
A vida eterna num vidro?
Um susurro, um gemido?,
O Elvis Presley perdido?


No fim da pista tem um cemitério
De estrelas colossais caídas.
Uma mesa sem mistério
Sem cosmos dando a partida...

O fim da pista ela avista
Se na mão tem um cigarro
Rock no som do carro
Os cabelos livres na estrada
Ela mira o infinito
Acelera forte e bate
Capota bonito!
E o vento leva
As chaves de casa...

Leveza

E quando tudo pesa?
É o encotro das coisas?
Que se acumulam sólidas?

O fim de um ciclo?
Assim sem sentido?

Quando o fim se aproxima, pesa?
Pesa a dor doída na alma?
A dor pelo o que foi perdido?
Sem ser sabido o que era?

Seria a areia mórbida dos domingos?
Da morte no verão seco?
Da música sem melodia?
Do barulho da água no fundo do poço?

Pesa a vida lerda que passa?
Pesa a noite que trás o frio?
Pesa a dor do tapa?
O vazio?

Suor

23 de nov de 2009
Quanto marasmo de vida!
Esse tempo é um sopro da morte
Ardendo entre chamas-fantasmas
E dias de suor eterno
É quando do abismo abrem-se
As portas douradas do inferno

Temporal

Caem do alto
E vertem ao chão
Doem no peito amargo
Gritam na boca em pranto
Soltam seus pós velados
Surtam e vão pro canto
Seguem à margem, usados
E vão atuar com o vento

Estátua

A mão que balança o berço
A mesma que acaricia
A pele, rosa, macia
Do amor não revelado

Este lado, outro lado
E tudo em si resolve-se
E a mão que o berço balança
Toma ao corpo a criança
Que chora, inconsolável

Ver

20 de nov de 2009
Vi a verdade se pintar de verde
E avermelhar-se de encanto

No início perdi o traquejo
No fim de tudo afoguei-me em canto

Viagem

O dia colore e se demora
É na noite o desencontro
Das letras e do fim dos pontos
Dos martelos e risadas fáceis

O impasse se coloca inteiro
Tem nariz enorme e boceja
 - É o sono que me toma a vida, diz, e se cala...

A janela pinta-se de azul
 E os ditos perdem o encanto
Se discordo faz-se logo um pranto
E se encerra outra bateria
De nomes falhos, trocados
E de bocas tortas, vazias

Refrão

Da cabeça a lama desce
E escorre pelo corpo
É pouco e parece pouco
Sem gosto, sem nenhum gosto

Prece

19 de nov de 2009
E em tentar fazer meu caminho
Aparece uma Prece sem ninho
Voando sobre o capím verde
É cedo pra ave acordar serelepe
E tarde pra procurar seu filhote
Terá ele morrido na tempestade?
Ou torturado por um raio de choque?
O que será da Prece, ave que sabe voar
E ainda assim cresce e padece
Não consegue descansar...
Sempre que do ninho desce
O nicho abre e vem bicho predar

Cão

Os amigos
Esses queridos
A nos rodiar

Sabem onde estamos
Pra onde vamos
De onde viemos

Só esquecem
De avisar
Existem muito mais coisas entre Montes Claros e Japonvá do que sonha nossa van filosofia.

A Frente

18 de nov de 2009
De deixar a folha cair sem olhar
É pensar que tudo passou

Agente só repete a felicidade dos outros
Se você é, o que você quer ser
Tudo que existe foge do clichê

E não há fogo que queime
E não há palavra que destrua
E ainda:

Não há dia que oculte
E suje de branco
O que cresce
No fundo imundo
Do coração
Libertino

Ondinha safada

16 de nov de 2009
A onda no mar
Bate na areia e morre
A onda do mar é a onda
A onda é a onda no mar
Na areia a onda morre
A onda morre na areia
E na areia morre a onda
Morre a onda do mar na areia

Poeminho do amor

Não vivo sem você
Sem você não tem porque
É dormir sem jantar
É tesão sem querer
É exu sem erê

Terezinha

9 de nov de 2009


Sobre a mesa de Tereza
Três pratos porcelanados
Incrivelmente bem lavados
Um redondo
Um quebrado
Um quadrado

E Tereza onde está?
Sentada a morrer no sofá
Profetizando sua imagem
De mulher da antiguidade

Que perveção ela teria?
Gosto de me pertguntar...
Abusava dos doentes,
Antes de mensurar,
A pressão arterial?
                                                                                                
Ah! Essa rima ilegal!
Tereza-sofá
Tereza-arterial
Tereza-sexo anal

Dentes


E tocam eternos
Os tambores da espera
É a era, a nova era
Que se aproxima calada

E a sombra congela
E a chuva pára
As pessoas se olham
- O fim?

Não há mais dor
O sofrimento indolor?
Gritem! Gritem!
Gritem de felicidade!
E inicia a maratona
 Do desespero acuado
 E as pernas são criadas
     Sucumbe o mundo à forca

E terereu

8 de nov de 2009
Somente quem trabalha merece comer
O trabalho para o homem a vida oferece
Honrar o trabalho, ter dignidade
Na Bahia ninguém é digno
Ainda assim lá
Em outubro, mi hermana
Encontrarás
Toda sua triste família suburbana
Sentado na beira-mar
Perto da Axé-Moi
E terereu
Seu pai imbecil trabalhador
Ganha o dinheiro com arder
Do toba na cadeira pra viajar
E torrar, esmigalhar e terereu
Na Bahia seu dinheiro honesto
Cielo azulo ticos mios
Va fan culo, ticos mios
E terereu

Orkutismo I

Qualé a diferença meu povo?
Do orkut velho pro orkut novo?
Eu poderia responder...
É quê...
É quê...
O orkut velho "paroud" crescer
"Estagnow"
E você
É!
Você!
Tá quase dando o butão
Pra poder ter
A rodela nova do orkut
No perfil
E perceber
Que continuará a manter
Os mesmos amigos velhos
Ignorantes e burricinha
De sempre

Noturno II

5 de nov de 2009
Entre a foto imaginada
No sertão cor de sol quente
Sobe na cama o besouro
Primo-irmão da serpente
Incendeia o pensamento
Com seu cheiro de vingança
Vem devolver a matança
Que eu fiz na sua família
Nos maus tempos de criança

Poeminha aleatório 41

Ando cansado
Dessa vida de gota
Eu quero enxurrada,
Desgraça muita,
Cansei de desgraça pouca

Alívio

Alguém fala
E a gente sente
A felicidade
Suprema,
Frouxa
De estar
No "Ausente"

Do "do..."

Do over
Que fica
Da dose
Que vai
Não passa
A dica
E a noite
Cai

Poeminha 14

Qualquer dito
Mente a verdade
Rente ao que se sente
Sente esse cheiro,
De vida derretendo?

Return

Se eu digo e você não diz
O que eu quero que você fale
Muda todo o meu sentimento
E eu volto pro não
Velando seus beijos escuros
Eu sei,
Eu tentei por pouco tempo
E voltei a ser negro
Por mais que você diga
Eu não posso parar
Eu estou de volta
Ao negro amor
Aos dias de dor
E não acaba aí
Eu sou feliz assim
E gosto de ser assim
E as rodas arranhando o asfalto
E eu penso: "Tanto tempo"
Eu voltei!
E olho o vidro embaçado
Pelo quarto fechado de suor
E penso: "Estou de volta ao negro"

Rima nobre II

Ela - a cor anuncia
Flutuando
E o riso descontrolado
Avisando:
"Ela chegou!"

É o que se sabe...
De não vê-la
Só resta
A saudade.

Rima nobre

Tudo bem?
O que é
Que tem?
Meu bem?
Hein?
Não finja...
Você é ninja!
Eu sei...
Provei!
E não
Enjoei
Ei!
Olha lá
Deve ser
Agente vindo
E indo...
De mãos dadas...
Atadas!
Suadas,
De beijar
E ser feliz
O que sobra
Disso
É o que
Ninguém
Diz

Noturno I

4 de nov de 2009
De quem será
A mão
Esquerda
Que empurra
O berço
Na escuridão?
Não deixo
Aberta
A porta
Fecho
A janela
Bem!
E durmo
Quietinha
Não acordo
Ninguém...

Poeminha 18 (anos)

O sorvete
Doce pela boca
Tem gosto
De barulho
De carroça
Mas é azul
Pra vista
Que gosta
Ice blue!
Desce gelado
Na goela
E sai
No roxo
Do cu

Parquinho

Quadrado de crianças
Brincando de peteca
A nuvem se anuncia, carregada
Ouve-se o borbulhar
Da escovinha da empregada
O dia se umedece
E a chuva acelera e desce
Cai-caindo num toró
Desabando o céu todinho
Sem dó

Da dor que a escrita dá

Na fase do não escrevo
A mão torna-se pesada
O estilo perde o fio
E a folha, a meada
O que antes era leve
Engrossa-se e desafina
E o poema que era fácil
Sublima.

O que antes era claro, turva
O que fora clarão, anuvia
E outra vez pousa a mão sobre a mesa
A falta de formas
Torna-se então
Leveza.








Com Thatyellen*

Passado

Tudo, tudo passa:
A noite desesperada
A morte da filha amada
A casa incendiada,
Pela burrice da empregada
O dia da ira mortal
A multa por ultrapassar
O sinal daquele corte
A falta noturna de amor
O dissabor do beijo
Dado sem desejo

25,5

O que é a felicidade?
É maior que a vida?
Que um hospital
Desabando
Em dia
De
Visita?

Poema 71

Se na manhã o não se levanta
E corre o derredor da avenida
E o sol de luz se anuncia
E dói a vista desacostumada
Tapa-se o olho com a mão
Entre a avenida e a calçada
Passa correndo o caminhão
E interrompe a caminhada

Poeminha 23,5

3 de nov de 2009
Só seguir...
E não há futuro
Que seja só neve caindo
E carros passando

Azul Sério

Não existe outra palavra
Pra se sentir tão feliz
Às vezes é assim:
Sem medida!

Você é sem medida
Pelos dedos se vão
O azul da sua boca
Escorrendo...

Se você erra meu nome
Eu fico sorrindo
Sorrisos para tudo
São minha cura particular

E seus olhos são azuis
E meus dedos percorrem
Sua boca molhada

É só olhar o mundo
E ver que ele muda
E se aprofunda em ser
O que o livro diz

Eu seguro seus dedos
E você morde a boca
Seu jeans é azul
Como são os seus olhos

Poema 70 (dos sérios)

Sem ter
O que quer
Que seja
A morte
É apenas
Recomeço

Graça

Há alguns
Raros anos
Vividos sem
Temer a graça

Vivo de
Liberdade tardia
Caída em
Eterna desgraça

Há alguns dias
Pergunto:
Terei meu próprio lugar?
Há quem me ajude na fraqueza?

Só a melodia repetida
Auxilia minha vida
E finda
O propósito de ser

03/11/09

2 de nov de 2009
Tem cabeças que funcionam
Movidas à grande esforço

Tem palavras que se entregam
Com dureza e desgosto

Tem aqueles que se negam
É pra causar dor, por gosto...

E tem ela, a ressalva,
O encontro
A sutileza e o grito
O suspiro e o tiro
É o disparo
E o alvo

É na noite
A luminescência
E em si
Essência

Tragédia

Os sons são escuros
Como os beijos não roubados

Os dias são claros
E tristes como antigamente

E o sol escancarado, sorri
Para todo ser vivo

Ela foge, destemida
Pela calçada de pedras

E tropeça desastrada
Embaraça-se nas pernas

E cai para as rosas
Vermelhas de vida

Azul Clarinho e Lilás

É passarinho
Dançando
Tontinho
No fio

É uma flauta
Na boca
Vermelha
Da moça

É uma gota
De fruta
Doce
Que pinga

É dor calada
Resumo
Ressalva

Bater de vento
No rosto:
Que frio!

É o pedaço
Do canto
E tem
Mais recheio
Que o meio

Sapatos brancos

Cambaleia o sino
Tonto de tanto tocar
E anuncia na rua
A grande procissão

Ele caminha à frente
Que nariz! Que juventude!
O seu queixo é quadrado
Ele carrega no peito
A arma e o segredo da vida

E sapateia derrepente
E sorri derrepente
E dança, e dança...
Olha para a moça
E curva-se
Estende a mão
E casam-se

E cambaleia o sino
Ávido por mais negócios

Açucarada

E flutua
Entre os dedos
Das formigas

É uma gota,
Um suspiro

Aperta.
E solta...

Caminha escondida
No cantinho
Da parede
Na pontinha
Dos pés

Poeminha para lápide de deusinia

1 de nov de 2009
Um dia
Um belo Dia
No meio
Da mata verde
A deusinha
Desapareceu

Sumiu,
Assim de repente
E no mato
Se perdeu

Chovia o céu
Nesse dia

O tal do fim
Da deusinha
Que tadinha
Molhadinha
E sozinha...
A braquiária engoliu!

Os bombeiros
Procuraram
Os moradores
Procuraram
Os familiares
Espalharam
Cartazes
Pelo mato

Um pardal
Faminto
Procurava
O que comer
E avistou
A deusinha
Encolhida
Coitadinha

Papou deusinha
Todinha
E só sobrou
A pontinha
Da calcinha
Pra contar
A historinha

PUFF!

A mesma luta
E eu apanho
Apanho sempre
Se no engano
Do banho
De palavras
Só as larvas
Me importam
Sou torto
E feio
Não ligo
Releio
O livro
Da estante
E num claro
Instante
Eu vejo
Que o mundo
Inteiro
Espera
A palavra
Que existe
E flutua
Calmamente
Ou feito
Um furacão
E eis que
No lampejo
De pura
E límpida
E nua
Ação
Alguém
Percebe
E pega
Estouro!
Um poema

Poeminha 25

Ela diz
Que eu me acho
Eu me acho
No que ela diz

Blue song

Entenda-me agora
Ás vezes eu sou
Rude
E você se afasta
De mim

Mais o som
Continua bom

Por favor,
Só acompanhe

Uma vez
Aquela vez
Eu fui rude

Mas o som
Ainda flui

Por favor,
Só acompanhe

Mesmo que você escute
Alguém gritando
Ao fundo
Palavras em azul

Uma coisa, amor:
Foi uma vez
Aquela vez
Acabou!

As notas ainda
São as mesmas
E o som,
Ah! O som...

60

Uma valsa de minuto
Um pulinho só
Ou dois

Pode ser grave
E alegre
E passar...

Há de ser rápida
A letra
Para acompanhar

Há de chegar
O fim
Para concordar