Mãos sobre a mesa.

15 de mar de 2010
O tato indica
A farpa solta
A dor vem fácil
Uma pontada
Ligeiramente fraca.
Vejo meus dedos
Todos perfeitos
Na imperfeição que é
Ter dedo.
Lembro calado,
São minhas falhas;
Minhas fendas:
Superficiais.
A morte no início
Começa pelas mãos?

Imoralidade

Quando
Ao apagar o quadro
Ela mostra a axila
Seus dedos do pé
Tremem
No alto do salto
O corpo vacila

Conservo na sanidade
Meu olhar de monstro
Meio Bruxa Má
Meio Godzilla
Mordo forte o lábio
Sinto um gosto amargo
E o vibrar intenso da pupila

Simplicidade?

Retornar ao quarto,
Depois do café.
Enganar o sol
- Se esconder do ar.
Inspirar as gotas
Do suor sozinho.
É pequeno o destino,
(Se eu controlo tudo)
Encolher os amigos,
Romper uma tarde
E dormir.
Há um marco?
Um espaço único?
Que o ser se encontre?
Sozinho?
Ensimesmado?
Interrompido?