21 de out de 2009
Falar dos laços imaginários
Que rodeiam os amores
Os afetos, os afagos
E seus doces dissabores

Adiantar a palavra vazia
Que terminará com as mãos
Não mais unidas à anéis
Boca, rim ou coração

Sangrar até o momento
Que se esvairá
O sangue que se pode perder
Sem a morte reclamar

Esperar eternamente
O dia em que voltará
A arder em sentimentos
A revolta borbulhante
Que o amor novamente
Trará

0 comentários: