Horta Mágica

21 de out de 2009
Enterrado na horta
Está o corpo do morto
Há pouco conferi
Se brotou algum broto
Desgosto ou erva daninha
Ou qualquer tipo qualquer
De plantinha

Nada nasceu no lugar
Creio na superstição
De que nada nasce
Quando é pedra o coração

Resta esperar calado
O corpo morto se desintegrar
Ficar somente o espirro
E quando o "homem bom" passar
Vou oferecer um ramo
De qualquer planta qualquer
Só pra me deleitar
Que a terra pisada
É o eterno lar
De uma alma penada

1 comentários:

Joanna disse...

"Eu conheço uma plantinha
Boa de se oferecer
Só não digo o nome aqui
Pros homi não me prender..."


Ha!