Poeminho 47

27 de out de 2009
Ainda resta
Da vida uma réstia
Mofada no canto

Ainda escorre
Da parede o óleo
Que você pintou

Ainda existe
De você o pedaço
Que minha boca guardou

Foram-se os dias
Que guardávamos tudo
Lembrávamos de tudo
Vivíamos o mundo
E o tempo...
Ah! O tempo!
Devolva-me
Tudo que de mim
Roubou

0 comentários: