Negro, negro, negro

20 de out de 2009
Foi um sim como qualquer outro
E o momento que define tudo
Ao redor rodava o vira mundo
E na cabana dormiam as crianças órfãs
As árvores sacudiam-se
O vento brincava com as telhas leves
Dobravam no ar a água e a luz dos raios
E o céu era negro, negro, negro

2 comentários:

Joanna disse...

"Sim, sim, sim! Esse amor é tão profundo... você é minha prometida, eu vou gritar pra todo mundo!!!"



Não resisti!
Um bjo!

O Verme Verde disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk